A pessoa com síndrome de Down na sala de aula

A Síndrome de Down é a mais comum das anomalias genéticas. Ocorre um em cada 700 nascimentos e aparece em todas as raças e classes sociais.

Síndrome de Down não é doença, é uma condição provocada por um erro genético, que ocorre pela existência de um cromossomo extra no par 21. Também conhecida como Trissomia 21.

Características:
A Síndrome de Down apresenta várias características, a mais importante é o atraso mental, que na maioria das vezes é moderado. Comparado com crianças normais, às crianças com Síndrome de Down são menores, e seu desenvolvimento físico e intelectual é mais lento. Geralmente, as pessoas com Síndrome de Down possuem as mesmas capacidades de uma pessoa normal, e são capazes de aprender a ler, escrever e ter uma profissão.

Entre os estigmas físicos, apresentam a fenda palpebral oblíqua; base do nariz achatada; mãos e pés curtos e largos; prega na planta dos pés; prega palmar única; deficiência tono-muscular, articulações muito flexíveis; voz gutural; cavidade bucal diminuída fazendo com que a língua pareça ser maior e muito grande para a boca.

Nem todos possuem todas as características, e a maioria dos fatores físicos não interferem no seu desenvolvimento intelectual. Na idade escolar são considerados lentos no aprendizado do ensino tradicional, com rebaixamento dos níveis de concentração e abstração, necessitando estímulos constantes.

Muitos dos problemas comportamentais observados em pessoas com Síndrome de Down são de origem educacional e não características de sua deficiência.

Na idade adulta, quando bem estimulados, são capazes de se tornarem independentes, profissionalizados e participantes da sociedade.

São mais parecidos do que diferentes da população normal e atravessam as mesmas fases de desenvolvimento, são crianças, adolescentes, adultos e idosos.

Atendimento Especializado:
É um programa de educação planejado para atender as necessidades do educando, de acordo com seu nível de desenvolvimento. As estratégias educacionais formam um atendimento especializado, e este acontece em qualquer lugar onde exista uma pessoa para ensinar e outra para aprender, e não existe somente para as pessoas com deficiência mental, ou motora, ou sensorial, ou de comunicação...

O atendimento especializado para o aluno com deficiência mental, no ensino regular, deve atender às suas necessidades especiais sem se desviar dos princípios básicos da educação proposta às pessoas comuns.

Sempre devem participar das atividades e oportunidades disponíveis para pessoas não deficientes de sua faixa etária. Esta convivência trás benefícios tanto para a pessoa com Síndrome de Down como para as demais.

Educação:
Conseguimos o desenvolvimento pleno de qualquer indivíduo, através da estimulação sensorial, motora, afetiva, de comunicação e social.

Para que aconteça este desenvolvimento, devemos sanar ou minimizar aspectos físicos que possam dificultar esta estimulação.

É necessário que pais e familiares; proporcionem a interação com o meio em que vive, garantindo o desenvolvimento global, e propiciando a socialização.

A pessoa com síndrome de Down, como qualquer outra, está apta a aprender desde o seu nascimento, portanto a ela devem ser oferecidas todas as oportunidades de aprendizado possíveis, dentro do mundo dos não deficientes.

Objetivos Educacionais:
Devem respeitar a variação intelectual de cada um e oferecer iguais possibilidades de desenvolvimento a todos os alunos.

Devem valorizar as potencialidades e competências de todos, incentivando no processo educacional, realizando planejamentos e avaliações periódicas.

Devem oferecer atividades que levem à independência, favorecendo a integração, e oferecer atividades que desenvolvam a comunicação e a sociabilidade,

Devem favorecer o desenvolvimento da leitura, escrita, matemática e conhecimentos gerais (conteúdos acadêmicos).

Devemos respeitar as características individuais.

O que atrapalha o desenvolvimento de uma pessoa com síndrome de Down na sala de aula:
os nossos preconceitos;
os preconceitos dos colegas;
falta de propostas curriculares adaptadas e flexibilizadas em seu conteúdo;
falta de uma proposta individualizada para sua avaliação;
falta de estratégias pedagógicas;
falta de cursos de capacitação e aperfeiçoamento para os professores;
falta de serviços para se fazer encaminhamentos.

O que é preciso para que uma pessoa com síndrome de Down se desenvolva na sala de aula:
saber quais os preconceitos que nós possuímos;
acreditar nas potencialidades da pessoa;
acreditar em nossas capacidades;
estabelecer vínculo afetivo;
conhecer a pessoa com síndrome de Down, saber o que ela é capaz de fazer; saber em que fase de desenvolvimento ela está, o seu ritmo e maturação.

É evidente que o aprendizado não acontece só na escola; no geral as pessoas passam o maior número de horas ativas do dia em casa, ou outro lugar que não a escola. O processo de aprendizagem é enriquecido quando a família e escola trabalham juntas, ajudando o aluno, e principalmente aquele com Síndrome de Down a atingir o seu potencial pleno e ser feliz.

A pessoa com Síndrome de Down é um ser humano completo, que tem sonhos e desejos, que tem inúmeras possibilidades de desenvolvimento, que tem habilidades e capacidades. Deve participar ativamente da nossa sociedade e deve ter todos os seus direitos assegurados.


...

Nenhum comentário:

Postar um comentário