O que é acupuntura


A acupuntura é o conjunto de conhecimentos científicos e práticos da Medicina Tradicional Chinesa que visa à prevenção, à terapia e o tratamento de enfermidades através do estímulo de determinados pontos da superfície da pele, chamados de pontos de acupuntura ou acupontos.

A acupuntura faz parte da Medicina Tradicional Chinesa, assim como a fitoterapia, a terapia alimentar chinesa, as práticas físicas e meditativas, entre outras. É uma das mais antigas terapias conhecidas pela humanidade. Embora tenha se modernizado as suas práticas e teorias ainda são muito parecidas com aquelas usadas há mais de cinco mil anos. Das agulhas de pedra, madeira, bambu, ferro, ouro e prata, até os nossos dias com agulhas descartáveis, vêm prevenindo e tratando enfermidades.

A acupuntura é baseada em teorias diferentes daquelas da medicina ocidental. Na medicina ocidental (alopática), um médico fará o diagnóstico da enfermidade do seu paciente através de seus conhecimentos de bioquímica, fisiologia, anatomia e patologia, e decidirá se irá tratá-lo com drogas, cirurgia ou outra técnica.

O diagnóstico na Acupuntura é baseado no princípio fundamental de que os sinais e sintomas refletem a condição dos sistemas internos, sendo mais amplo do que na medicina alopática.
Utiliza como elementos o histórico pessoal e familiar, palpação do pulso, observação da face e da língua, entre outros. E em suas várias outras modalidades de tratamento utiliza-se de plantas medicinais, dietoterapia, práticas corporais e mentais.
Apesar de distintas, essas abordagens terapêuticas podem ser utilizadas ao mesmo tempo uma complementando a outra, uma vez que ambas visam o bem estar da pessoa.

A acupuntura e a Medicina Tradicional Chinesa ensinam que o homem precisa ter harmonia em suas relações internas e externas.
Para harmonia interna, todas as funções fisiológicas do seu organismo devem ser cumpridas sem esforço, e para a harmonia externa, o homem deve ter boas relações com o meio em que vive.

Originalmente, todas as estruturas do organismo se encontram em equilíbrio pela atuação das energias Yin e Yang. Desse modo se as energias Yin e Yang estiverem em perfeita harmonia, o organismo certamente estará com saúde. Por outro lado, um desequilíbrio gerará a enfermidade. A ciência da acupuntura visa, através de sua técnica e procedimentos, estimular os acupontos que têm a propriedade de restabelecer o equilíbrio, alcançando-se assim resultados terapêuticos e a saúde.

Vantagens da acupuntura

 A acupuntura, através do equilíbrio da energia Qi, pode tratar inúmeras enfermidades, não importando sua localização, idade ou sexo da pessoa.

 É eficiente no alívio de muitas dores. Em pacientes com câncer pode ser usada no controle da dor e dos efeitos secundários da radio ou quimioterapia. Pode auxiliar em cirurgias tanto na analgesia como apressando a recuperação, principalmente nas cirurgias plásticas onde auxilia no controle dos edemas.

 Regula o equilíbrio do organismo, diminuindo o uso de medicamentos principalmente nas enfermidades causadas pelo estresse.

 É simples de ser aplicada e não precisa de muitos equipamentos – um lugar arejado e confortável, agulhas descartáveis e um especialista em acupuntura competente é o necessário para sentir todo o benefício da acupuntura.

 É uma prática muito segura, exigindo apenas a higiene e esterilização das agulhas e um bom profissional.

 Pode ser usada juntamente com outros tratamentos da medicina ocidental, um complementando o outro.

 Apresenta excelentes resultados nos casos de vícios (tabagismo, drogas), em obesidade (gula ansiosa, compulsão).

 E nunca devemos esquecer da mais importante vantagem da acupuntura que é a prevenção de enfermidades. Estimula o sistema imunológico, equilibra sentimentos e emoções, propicia a circulação harmoniosa da energia Qi, permitindo, assim, prolongar seus períodos de bem-estar e de saúde e prevenindo o aparecimento de enfermidades

As enfermidades que podem ser tratadas com a acupuntura

Dentro da concepção chinesa, a enfermidade é uma manifestação de desequilíbrio, e a acupuntura seria uma forma de readquirir a harmonia perdida.

Embora muitas pessoas associem a acupuntura com o controle da dor, e é realmente muito efetiva nesses casos, a acupuntura pode atuar na promoção da saúde e bem-estar, na prevenção de enfermidades, e no tratamento de várias enfermidades.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, são mais de 100 as enfermidades reconhecidamente tratadas pela acupuntura, entre elas:

 Desequilíbrios respiratórios: gripe, rinite, bronquite, asma, alergias.

 Problemas relacionados a vícios e dependência do cigarro, do álcool, das drogas.

 Problemas do aparelho digestório: náuseas e vômitos, diarréia e constipação, úlceras, azia, diabetes, etc.

 Disfunções do aparelho uro-genital: cistite, problemas de parto, ejaculação precoce, frigidez, TPM e cólicas menstruais, cistos ovarianos, miomas, menopausa, prostratite.

 Disfunções Somatoformes: depressão leve e moderada, ansiedade, estresse, obesidade, hipertensão, insônia, irritabilidade, medos, fobias, nervosismo, preocupações, tristeza e melancolia, fibromialgia.

 Desequilíbrios do sistema neuro-muscular: LER (lesão por esforço repetitivo), sequelas de AVC (acidente vascular cerebral), cãibras, mal de Alzheimer, paralisia facial, etc.

 Síndromes dolorosas: cefaléias, enxaquecas, dores agudas ou crônicas de origem reumática, lombalgia (coluna), nevralgia (ciática, trigêmeo, intercostais), dores traumáticas (contusões, distensões), etc.

 Enfermidades da pele: acne, vitiligo, prurido, etc.

Acupuntura emagrece...


Primeiro devemos pensar por que engordamos. Engordamos por que comemos e bebemos mais do que gastamos.

E comemos e bebemos por que acostumamo-nos a utilizar a alimentação como forma de expressar nossos sentimentos. A mãe só sente ter desempenhado bem o seu papel quando prepara a refeição e o filho não só aceita o alimento como também demonstra prazer em recebê-lo. Limpa o prato!

Presenteamos pessoas queridas com bombons e, em todas as ocasiões especiais, comemoramos ao redor da mesa. Quem pode imaginar uma reunião de amigos sem muita comida e bebida?

Come-se em momentos de alegria e de tristeza, por que se está calmo ou nervoso, por que estamos sozinho ou acompanhado, comida, comida, comida.

Não conheço uma só pessoa gorda que não adore comer doce, salgado ou ambos. Também não conheço um magro que gaste seu tempo numa refeição, ou que carregue uma balinha (barrinha de cereal, chocolatinho, bolachinha – tudo no diminutivo por que pequenas porções não engordam) na sua bolsa.

Então tá! Acupuntura emagrece ou não?

Vamos lá, só a acupuntura não vai emagrecer ninguém, nem existe uma fórmula mágica que torne as pessoas magras. Para reduzir o peso corporal é necessário diminuir a quantidade do que ingerimos e aumentar o que gastamos, ou seja, fazer uma dieta com poucas calorias e praticar atividade física.

A acupuntura ajuda no emagrecimento, por que pode regular o metabolismo, amenizar a ansiedade - aquela agitação sem causa aparente que leva a pessoa a abrir a geladeira e devorar tudo; a compulsão por comidas – controle do apetite; fazer com que seu organismo elimine melhor as toxinas, a retenção de líquidos, o funcionamento regular do intestino; ajuda a relaxar e dormir bem, por que dormir bem significa um dia seguinte sem ansiedade e cansaço. A acupuntura ajuda a fazer um equilíbrio das suas energias conseguindo assim mais disposição e bem-estar. E daí, emagrece sim!
*
*
*

Síndrome de Down e Meu Filho


Deixe seu contato para uma cópia gratuita (PDF)
*
*
*

Acupuntura, o que todas as pessoas deveriam saber


Deixe seu contato para cópia gratuita (PDF)



*
*
*

Papa de Arroz


A MÁGICA PAPA DE ARROZ

Ela pode ser grossa ou rala, cremosa ou cheia de caldo: não importa desde que seja de arroz cozido durante quatro a seis horas em fogo muito baixo e panela grossa tampada. Uma parte de arroz, dez partes de água - ou mais - e pronto: eis aí um dos alimentos mais medicinais de que se tem notícia.

Facílima de digerir e de assimilar, fortalece a energia geral (o Qi) e o sangue, harmoniza o meridiano triploaquecedor e ajuda a eliminação de toxinas através da urina. Aí sua única contra-indicação: para pessoas que estejam urinando demais, ou seja, mais de três ou quatro vezes por dia e uma vez à noite, a papa de arroz piora tudo por ser diurética. Fora isso, suas possibilidades medicinais são infinitas devido às combinações que permite.

BUDA FAZIA COM LEITE E MEL  e comia dizendo que ela dava dez coisas: vida, beleza, facilidade, força, bexiga limpa, boa digestão, fim da fome, da sede e dos gases, e ainda a bênção do Céu...

COM TRIGO EM GRÃO   nutre Fogo, beneficia e acalma o coração, refresca, baixa a febre.

COM ARROZ MOTI, OU SÓ DE ARROZ MOTI  tonifica o meridiano triploaquecedor, reforça a energia geral, recompõe a pessoa que tem indigestão, diarréia e vômitos. À venda nas lojas japonesas.

COM FEIJÃOZINHO VERDE, MOYASHI  refresca, baixa a febre, e é especialmente boa contra o fogo do verão.

COM FEIJÃO AZUKI  remove a umidade, portanto os edemas; boa em caso de gota, de retenção de urina ou ausência dela, e em outros problemas de rim e bexiga.

COM INHAME  é nutritiva e tonificante.

COM RABANETE é digestiva e refresca os órgãos da digestão.

COM CENOURA é ótima em caso de disenteria crônica e indigestão, evita gases e acalma a tosse.

COM AIPO refresca e desintoxica.

COM CEBOLINHA VERDE aquece e tonifica, ótima contra diarréia crônica.

COM A PARTE BRANCA DO ALHO-PORRÓ cura a diarréia fria dos idosos.

COM GENGIBRE SECO é boa para deficiência de energia com sintomas de frio no aparelho digestivo como diarréia, anorexia, vômito e indigestão.

COM FUNCHO  elimina gases.

COM FÍGADO trata deficiências do fígado e dos rins, tonificando.

COM RINS é um tônico geral, mas especialmente dos rins. Útil em casos de impotência, espermatorréia, ejaculação precoce; também contra lumbago e joelhos fracos.

Sal? Só uma pitadinha.

Quando for comer a papa de manhã, deixe cozinhando durante a noite, em fogo bem baixinho, sobre uma chapa. Da primeira vez parece esquisito e arriscado - mas tudo tem uma primeira vez, não é mesmo?

Os bebês, as crianças pequenas e os velhinhos podem tomar só a parte líquida ou cremosa que fica no topo, e a papa pode ser peneirada para bebês e velhinhos cujos intestinos estejam fracos.
  
ARROZ: INTEGRAL OU BRANCO?

A moda do arroz integral nasceu nos anos cinqüenta, quando George Ohsawa e Michio Kushi resolveram divulgar a macrobiótica. Vinham do Japão. Mas nem no Japão, nem em qualquer outro lugar da Ásia, nem em região alguma do mundo onde o prato básico fosse arroz, nunca se comeu o arroz inteiramente integral- assim como nunca se comeu o arroz inteiramente branco. O ideal, eles sabiam, era um arroz semi polido - sessenta ou setenta por cento integral; facílimo de achar no Oriente, onde os comerciantes de cereais faziam o polimento de acordo com a preferência do freguês; só que na América não existiam máquinas para isso, então eles enalteceram o integral mesmo. Só agora,  quarenta anos depois, é que os macrobióticos pós-modernos estão levantando a questão e contando a história direito. Porque na verdade o arroz semipolido é muito mais fácil de mastigar e de digerir, mais saboroso, tão nutritivo quanto o integral, e não tem o perigo do excesso de fibras. Que, como você talvez já saiba, são ricas num tal de ácido fítico que impede a assimilação de certos minerais, o que equivale a dizer que cereais integrais são bons só até certo ponto. Demais, podem até subnutrir, quem diria! Pois é. Vivendo e aprendendo. E retificando, sempre. 

(Texto que peguei emprestado do livro "Manual do Herói ou a filosofia chinesa na cozinha" de Sonia Hirsch. Você pode ver todos os livros da jornalista em  www.correcotia.com  )

*
*
*


Síndrome de Down – O Momento da Notícia

UM MOMENTO QUE NUNCA SERÁ ESQUECIDO


 “Menino ou menina?”. É a primeira pergunta que fazem os pais por ocasião do nascimento de uma criança. Mas isso não importa desde que o filho tão esperado seja uma criança perfeita e sadia.
Depois vem a pergunta: "Meu filho é normal, doutor?” As respostas são fáceis quando tudo está bem, mas logo se notam as reticências quando há algum problema.
Em 1982, quando nasceu meu primeiro filho e logo levantei a hipótese de ele ter síndrome de Down, notei que as reticências da pergunta “Meu filho é normal?” incomodavam mais ao pessoal médico que me atendia do que a mim mesma.
Este momento nunca será esquecido e pode ser traumatizante para os pais, que não estão preparados para enfrentar a realidade de que o filho tão esperado não é a criança que sonhavam, e para o pessoal médico e de enfermagem, que não está preparado para ajudá-los a enfrentar esta realidade.
A família representa um papel de extrema importância no desenvolvimento das pessoas com síndrome de Down, quanto mais informada for a família, mais a criança terá suas potencialidades aproveitadas ao longo da vida. Se não se sabe comunicar a notícia com palavras corretas e no momento propício, a família passará por uma grande tempestade que poderá alterar o seu futuro, podendo influenciar até na aceitação ou rejeição da criança. Muitas vezes, não se tem o menor cuidado, pois obstetras, pediatras e enfermeiros que acompanham o nascimento não se apercebem do trauma que podem causar.
Como mãe senti necessidade de um diálogo franco, sem evasivas, com respostas simples, bom senso e respeito. O que vi, li e ouvi de outras mães é que o pessoal da área médica estava mais preocupado em passar um verdadeiro tratado médico sobre a deficiência de nossos filhos, enquanto o pessoal de enfermagem ficava ausente ou à distância, como se nada de diferente estivesse acontecendo. E todos se esqueciam que, antes de tudo, ali estava um casal, pais de um recém-nascido que tem as mesmas necessidades básicas de outra criança qualquer.
Corro o risco de cair numa perigosa generalização, pois existem muitos profissionais que sabem como se portar e enfrentar junto com a família esse momento tão delicado e decisivo. 
Infelizmente, é difícil estabelecer um procedimento padronizado para ajudar os pais a receberem a notícia e fazer com que o pessoal médico e de enfermagem possa transmiti-la da forma mais adequada.

 Quem deve dar a notícia aos pais? O pediatra, o obstetra, o enfermeiro?

 Quem deve dar a notícia aos pais é a pessoa mais confiante, mais preparada para esse momento. Para isso, primeiramente, esta pessoa deverá rever seus sentimentos diante da deficiência. Essa autoanálise requer paciência, força de vontade e muita honestidade. Depois que fizer dentro de si um conceito positivo da deficiência, deixando de lado os preconceitos, estará apto a ajudar os pais nesse momento tão importante.
Os estereótipos mais comuns são que as pessoas com SD são dóceis, sem vontade própria, eternas crianças, com tendências antissociais ou extremamente sociáveis, incapazes, doentes e objeto de piedade. Estes pensamentos não ajudarão no momento da notícia nem no relacionamento de confiança que deve se estabelecer entre os pais e os profissionais. 

Dicas importantes para ajudar os pais nesse momento: 

  • Informe aos pais tão cedo quanto possível, mas dê tempo para que a mãe conheça seu filho.
    Não informe o diagnóstico quando ela estiver sozinha ou só com o seu bebê. Respeite possíveis problemas que possam afetar a mãe. Ela deverá estar acompanhada por alguém próximo, de preferência o pai da criança. Um poderá dar apoio ao outro.
  • A notícia deve ser dada, sempre que possível, com a criança presente. Brincando com ela, segurando-a em seus braços e mostrando afeto, o profissional cria um relacionamento positivo, mostra aceitação e dá um bom exemplo aos pais.
  • Comece dando os parabéns pelo nascimento do bebê e elogie a criança. Enfatize as características comuns da criança, e não as diferenças. Chame todos os presentes pelo nome, isto cria um vínculo importante com a família.
  • Não demonstre sentimentos negativos, como pena ou tristeza.
  •  Dê informações precisas e compreensíveis, usando palavras simples, esquecendo termos médicos. Se possível, leve algum material escrito para que os pais possam reler as informações num momento de maior calma. Esteja disponível para que eles possam fazer perguntas.
  • Assuma uma postura neutra, porém amigável. Transmita otimismo, sem sair da realidade. Não seja otimista demais, nem pessimista ao extremo.
  • Enfatize as características comuns da criança, e não as diferenças.
  • Respeite os sentimentos individuais dos pais. Deixe que expressem sua dor e suas dúvidas. Mostre que os sentimentos iniciais de desespero e rejeição à criança são normais, e que o amor deve prevalecer.
  • Garanta que mãe e filho possam ficar juntos, a menos que haja indicação médica para separá-los.
  • Oriente os pais, os avós, os tios ou qualquer outra pessoa que esteja envolvida nos cuidados básicos da criança: auxiliando na hora da mamada, enfatizando a importância do aleitamento materno, diminuindo o tempo da criança no seio e aumentando o número de mamadas. Mostre a importância do carinho e do aconchego na hora da alimentação. O colo da mãe é o melhor estímulo para um recém-nascido com ou sem síndrome de Down.
  • Oriente e estimule os pais a procurar uma instituição especializada para começar o mais cedo possível a estimulação essencial, fazendo os encaminhamentos devidos.

  Pais de uma pessoa com síndrome de Down precisam

  • Respeito
  • Orientação
  • Esperança
  • Informações precisas
  • Otimismo
  • Compreensão
  • Apoio

  Pais de uma pessoa com síndrome de Down não precisam

  • Pena
  • Desengano
  • Desesperança
  • Pessimismo
  • Isolamento
  • Palavras vazias
  • Perguntas sem resposta


Você pode encontrar este mesmo texto em formato de folder em:
http://www.movimentodown.org.br/sindrome-de-down/profissionaisdesaude/hora-da-noticia/
...

CONTROLE DE COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES

O que é colesterol?

É um tipo de gordura produzida pelo fígado e pelo intestino e enviada para o sangue, que se encarrega de transportá-la para todo o organismo.

Existem dois tipos de colesterol: o colesterol "bom" ou HDL, que elimina o mau colesterol da corrente sangüínea, ajudando a diminuir os riscos de aparecimento de problemas cardiovasculares, e o colesterol "ruim" ou LDL que, quando em excesso, eleva o risco de isquemias - falta de irrigação sanguínea - cardíacas ou cerebrais (isso ocorre porque o LDL se deposita nas paredes das artérias, o que leva à formação de placas de gordura que impedem o fluxo sangüíneo).

O que são triglicérides ou triglicerídeos?

Os triglicérides são uma forma de gordura que circula na corrente sanguínea. A maioria da gordura do nosso corpo está na forma de triglicérides armazenadas no tecido adiposo.

Dicas para controlar o colesterol e os trigliceídeos

A dieta é fundamental, e lembre-se, não existe "dieta mágica". Pense que você irá modificar seus hábitos alimentares e que essas modificações devem durar por toda vida.

Faça seis refeições ao dia: café da manhã, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar e lanche da noite. Procure comer sempre no mesmo horário, e divida a quantidade de calorias nestas seis refeições. Mastigue bem!

Beba pelo menos um litro e meio de água por dia, aqui não estão incluídos café, sucos ou chás.

Para reduzir tanto o colesterol quanto a gordura em sua dieta, não coma mais que três refeições com carne por semana. E quando comer, escolha cortes magros, como o filé. Retire toda a gordura visível antes de cozinhar, assim como a pele de aves. Coma mais peixes.

Dê preferência aos leites desnatados e queijos com baixo teor de gordura, e as versões light e diet de maionese e molhos para saladas.

A prática de exercícios físicos ajuda a aumentar o "bom" colesterol (HDL), que auxilia o organismo na eliminação do colesterol desnecessário. Além disso, há um benefício extra: a redução de peso.

Limite o consumo de açúcar e, se possível, substitua-o por adoçante. Modere a ingestão de sal, tanto na comida caseira como em produtos industrializados.

Coma fibras. As fibras solúveis, encontradas em frutas, verduras, aveia, sementes e grãos, ajudam a baixar a taxa de colesterol. O ideal é consumir cinco porções de frutas e verduras por dia.

Cuidado com as gorduras escondidas nos alimentos. Muitos deles, embora não aparentem, possuem altas taxas de gordura. É o caso das nozes, biscoitos recheados ou não, chocolates e frios. Por isso, leia os rótulos dos produtos antes de comprá-los e consumi-los.

É importante que sua dieta alimentar contenha uma proporção equilibrada de vitaminas e minerais. Frutas e hortaliças frescas contêm grandes quantidades de vitaminas, e sais minerais.

Inclua berinjela em seu cardápio diário; ela ajuda a eliminar as gorduras ingeridas a cada refeição.

Abuse do alho, ele evita que o organismo absorva grande parte do colesterol contido nos alimentos, ajuda a baixar a pressão e estimula o aumento do HDL. Abuse também da cebola, quando crua, ela tem propriedades semelhantes ao alho.

A soja e seus derivados (como leite e tofu) são ricos em proteínas e ajudam a diminuir as taxas de LDL.

Frituras? Nem pensar! Mas quem gosta de preparar alimentos, em especial carnes, na frigideira, pode usar água. Isso mesmo: um pouco de água num recipiente com revestimento antiaderente deixa a comida com um sabor delicioso. Meia colher de chá de azeite de oliva também pode substituir o óleo de cozinha.

Grelhar os alimentos faz com que eles adquiram um sabor especial, e não é preciso ter grelha para fazer isso. Qualquer panela ou frigideira com revestimento antiaderente serve.

O forno – a gás, elétrico ou de microondas – é um ótimo aliado para qualquer dieta anticolesterol. Alimentos fervidos também são indicados, mas é preciso levar em conta que a água quente retira parte de seus nutrientes. Por isso, em especial no caso de legumes e verduras, limite o tempo de fervura ao mínimo necessário.

O Colesterol não está presente em alimentos vegetais como frutas, verduras e óleos vegetais, mas está presente em TODOS os alimentos de origem animal como carnes, leite e ovos.

Alimentos Proibidos
(para quem tem colesterol elevado,  e que devem ser evitados por todos)

Carnes gordas e enlatadas, carne de porco, fígado, rins, pele da galinha, etc;

Leite gordo, queijo gordo (amarelo), manteiga e derivados, leite integral, etc;

Frios embutidos (presunto, salame, etc.);

Gema de ovo, maionese, creme de leite e sorvete de leite;

Achocolatados, creme de leite e leite condensado, iogurte integral;

Chocolate

Tortas e pastéis;

Frituras;

Beicon, toucinho defumado e banha;

Crustáceos e frutos do mar (camarão, lagosta, etc.);

Macarrão com ovos ou molho com queijo;

Biscoitos amanteigados, recheados, cremosos ou que contenham gema de ovo;

Coco, abacate, caqui;

Azeite, azeitona.

Alimentos permitidos

Carnes sem gordura, aves sem pele, peixes;

Leite desnatado, margarinas "light", iogurte desnatado, ricota;

Clara de ovo;

Frutas e suco de frutas, verduras, legumes e cereais;

Sorvete de frutas ou à base de leite desnatado;

Óleo de milho, girassol, soja e oliva;

Arroz, feijão, lentilha, grão de bico;

Farinhas integrais e de aveia;

Com moderação nas bolachas, biscoitos e macarrão.


COLESTEROL ALTO É PREJUDICIALÀ SAÚDE EM QUALQUER IDADE!



...

A pessoa com síndrome de Down na sala de aula

A Síndrome de Down é a mais comum das anomalias genéticas. Ocorre um em cada 700 nascimentos e aparece em todas as raças e classes sociais.

Síndrome de Down não é doença, é uma condição provocada por um erro genético, que ocorre pela existência de um cromossomo extra no par 21. Também conhecida como Trissomia 21.

Características:
A Síndrome de Down apresenta várias características, a mais importante é o atraso mental, que na maioria das vezes é moderado. Comparado com crianças normais, às crianças com Síndrome de Down são menores, e seu desenvolvimento físico e intelectual é mais lento. Geralmente, as pessoas com Síndrome de Down possuem as mesmas capacidades de uma pessoa normal, e são capazes de aprender a ler, escrever e ter uma profissão.

Entre os estigmas físicos, apresentam a fenda palpebral oblíqua; base do nariz achatada; mãos e pés curtos e largos; prega na planta dos pés; prega palmar única; deficiência tono-muscular, articulações muito flexíveis; voz gutural; cavidade bucal diminuída fazendo com que a língua pareça ser maior e muito grande para a boca.

Nem todos possuem todas as características, e a maioria dos fatores físicos não interferem no seu desenvolvimento intelectual. Na idade escolar são considerados lentos no aprendizado do ensino tradicional, com rebaixamento dos níveis de concentração e abstração, necessitando estímulos constantes.

Muitos dos problemas comportamentais observados em pessoas com Síndrome de Down são de origem educacional e não características de sua deficiência.

Na idade adulta, quando bem estimulados, são capazes de se tornarem independentes, profissionalizados e participantes da sociedade.

São mais parecidos do que diferentes da população normal e atravessam as mesmas fases de desenvolvimento, são crianças, adolescentes, adultos e idosos.

Atendimento Especializado:
É um programa de educação planejado para atender as necessidades do educando, de acordo com seu nível de desenvolvimento. As estratégias educacionais formam um atendimento especializado, e este acontece em qualquer lugar onde exista uma pessoa para ensinar e outra para aprender, e não existe somente para as pessoas com deficiência mental, ou motora, ou sensorial, ou de comunicação...

O atendimento especializado para o aluno com deficiência mental, no ensino regular, deve atender às suas necessidades especiais sem se desviar dos princípios básicos da educação proposta às pessoas comuns.

Sempre devem participar das atividades e oportunidades disponíveis para pessoas não deficientes de sua faixa etária. Esta convivência trás benefícios tanto para a pessoa com Síndrome de Down como para as demais.

Educação:
Conseguimos o desenvolvimento pleno de qualquer indivíduo, através da estimulação sensorial, motora, afetiva, de comunicação e social.

Para que aconteça este desenvolvimento, devemos sanar ou minimizar aspectos físicos que possam dificultar esta estimulação.

É necessário que pais e familiares; proporcionem a interação com o meio em que vive, garantindo o desenvolvimento global, e propiciando a socialização.

A pessoa com síndrome de Down, como qualquer outra, está apta a aprender desde o seu nascimento, portanto a ela devem ser oferecidas todas as oportunidades de aprendizado possíveis, dentro do mundo dos não deficientes.

Objetivos Educacionais:
Devem respeitar a variação intelectual de cada um e oferecer iguais possibilidades de desenvolvimento a todos os alunos.

Devem valorizar as potencialidades e competências de todos, incentivando no processo educacional, realizando planejamentos e avaliações periódicas.

Devem oferecer atividades que levem à independência, favorecendo a integração, e oferecer atividades que desenvolvam a comunicação e a sociabilidade,

Devem favorecer o desenvolvimento da leitura, escrita, matemática e conhecimentos gerais (conteúdos acadêmicos).

Devemos respeitar as características individuais.

O que atrapalha o desenvolvimento de uma pessoa com síndrome de Down na sala de aula:
os nossos preconceitos;
os preconceitos dos colegas;
falta de propostas curriculares adaptadas e flexibilizadas em seu conteúdo;
falta de uma proposta individualizada para sua avaliação;
falta de estratégias pedagógicas;
falta de cursos de capacitação e aperfeiçoamento para os professores;
falta de serviços para se fazer encaminhamentos.

O que é preciso para que uma pessoa com síndrome de Down se desenvolva na sala de aula:
saber quais os preconceitos que nós possuímos;
acreditar nas potencialidades da pessoa;
acreditar em nossas capacidades;
estabelecer vínculo afetivo;
conhecer a pessoa com síndrome de Down, saber o que ela é capaz de fazer; saber em que fase de desenvolvimento ela está, o seu ritmo e maturação.

É evidente que o aprendizado não acontece só na escola; no geral as pessoas passam o maior número de horas ativas do dia em casa, ou outro lugar que não a escola. O processo de aprendizagem é enriquecido quando a família e escola trabalham juntas, ajudando o aluno, e principalmente aquele com Síndrome de Down a atingir o seu potencial pleno e ser feliz.

A pessoa com Síndrome de Down é um ser humano completo, que tem sonhos e desejos, que tem inúmeras possibilidades de desenvolvimento, que tem habilidades e capacidades. Deve participar ativamente da nossa sociedade e deve ter todos os seus direitos assegurados.


...

DICAS de hábitos alimentares saudáveis e perda segura de peso

O segredo é promover uma mudança de hábitos alimentares, com uma alimentação mais saudável seguindo as orientações da Pirâmide Alimentar, controlando a quantidade e a qualidade dos alimentos, assim perdendo peso com equilíbrio.

Divida sua alimentação em seis refeições no dia.
- café da manhã, lanche, almoço, lanche da tarde, jantar, ceia -

Coma pequenas quantidades e evite “beliscar” entre as refeições.

Faça cada refeição com calma, sente-se para comer e mastigue bem, isso ajuda na digestão e aumenta a saciedade.

Evite comer diante da TV ou fazendo outra atividade, por que você pode perder a noção da quantidade que está ingerindo.

Tome bastante água, de 6 a 8 copos diariamente, ou chás claros, deixe os sucos de frutas para os lanches, evite refrigerantes.

Adote horários regulares para se alimentar.

Inicie as refeições pelas saladas, legumes e verduras, quando chegar no prato principal (e mais calórico) você vai ver que o seu apetite já estará bem menor.

Procure variar diariamente as frutas e vegetais das suas refeições, quanto mais colorido o seu prato maior a variedade de vitaminas, sais minerais, e fibras.

Procure sair da mesa com a sensação que poderia ter comido mais um pouquinho, o seu cérebro demora um pouco para perceber a sensação de saciedade.

Se tiver vontade de comer um doce, coma uma fruta cozida, seca, ou in natura.

Pratique atividade física, pois além de ser saudável, auxilia no emagrecimento e mantém a boa forma.

Escolha um dia da semana para comer seus pratos preferidos, mas com moderação!


PREFIRA

Verduras, legumes, carnes magras, peixe ou frango.
Preparações cozidas, assadas, ensopadas ou grelhadas.
Frutas e sucos naturais.
Alimentos integrais: arroz, farinhas, etc.

EVITE

Açúcar, mel, doces em geral, refrigerantes, bebidas alcoólicas, chocolates.
O excesso de sal, açúcar, trigo e carne vermelha.
Arroz branco, farinhas refinadas, pães, torrada, bolachas.
Preparações milanesas, fritas, ou empanadas.

FAÇA ATIVIDADE FÍSICA

Atividade física regular pode lhe ajudar a atingir e manter um peso saudável. Ser fisicamente ativo também pode fazê-lo ter mais energia, melhorar seu humor e reduzir o risco de desenvolver doenças crônicas.

Atividade física ajuda a controlar seu peso ao utilizar as calorias em excesso que de outra forma seriam armazenadas como gordura. Tudo que você faz utiliza calorias, incluindo dormir, respirar e digerir a comida. Equilibrar as calorias que você ingere com as que usa através da atividade física o ajudará a atingir e manter um peso saudável.

Quando você ingere mais calorias do que consegue gastar - você ganha peso.

Quando você gasta mais calorias, através de atividades físicas e dieta hipocalórica, do que ingere - você perde peso.

Quando atingir seu peso recomendável (medido através do IMC), você deve manter um equilíbrio entre as calorias ingeridas e as gastas - controle de peso.

Recomenda-se 30 minutos de atividade física de intensidade moderada*, pelo menos, 5 dias da semana; como: uma caminhada rápida, corrida, andar de bicicleta, natação, aulas de exercícios aeróbicos, dançar, praticar esportes. Para quem quer perder peso deve-se aumentar a duração dos exercícios físicos para, até, 60 minutos.
* A atividade física moderada é qualquer atividade que faz respirar mais rápido do que quando se está descansando e eleva a freqüência cardíaca.

Lembre-se que o excesso de peso foi adquirido em meses ou anos e não pode ser eliminado rapidamente.



..

A Pirâmide Alimentar

Afinal de contas, o que é esta tal de pirâmide alimentar, e por que eu fico sempre comentando e insisto para que todos conheçam e façam uso dela?

Quando nos alimentamos e escolhemos os alimentos que colocamos em nossa boca e de nossa família, levamos em conta os gostos e desejos, o nosso orçamento doméstico, o número de pessoas que irão desfrutar a refeição, se é uma refeição diária ou se estamos comemorando alguma coisa, mas pouca atenção damos aos nutrientes que estamos colocando em nosso prato, e essa deveria ser a escolha principal, por que a alimentação é fundamental para a manutenção da nossa saúde.

É através dos alimentos que conseguimos a energia para trabalhar, o cálcio que manterá nossos ossos fortes, as vitaminas para manter nosso sistema imunológico forte para combater doenças e nosso bom humor para levar uma vida feliz, só citando alguns exemplos.

A Pirâmide Alimentar é uma representação gráfica de uma dieta balanceada. Foi desenvolvida como uma orientação fácil para você escolher o seu cardápio de uma maneira equilibrada e saudável. Mostra de forma clara e objetiva como alcançar as necessidades de calorias e nutrientes utilizando seus alimentos habituais e preferidos, tornando-a assim, prática e flexível.

Imagine um triângulo dividido em fatias horizontais iguais, na primeira fatia estariam os alimentos mais necessários e que devem ser consumidos em maior quantidade, a medida que as fatias vão subindo vai diminuindo a necessidade e a quantidade de consumo, até chegar no ápice da pirâmide, que é a parte menor, e que conteria o que deveríamos consumir em menor quantidade ou ocasionalmente.

Todos os alimentos contidos em todas as fatias da pirâmide alimentar são importantes, o que muda é a quantidade a ser ingerida.

A base da pirâmide mostra atividades físicas como componente fundamental para uma vida saudável e a água como principal fonte de hidratação.  Pratique atividade física regularmente e hidrate-se para manter um peso saudável.





A Pirâmide Alimentar, segundo a Universidade de Brasília - Departamento de Nutrição,  é representada por oito grupos de alimentos:
  • Grupo 1: alimentos ricos em carboidratos que fornecem a maior parte das energias de que precisamos, são os cereais: pães,as massas, arroz, raízes e tubérculos. Devemos incluí-los em todas as refeições e dar preferência aos cereais integrais.  
  • Grupo 2: as hortaliças e as verduras são ricas em vitaminas e sais minerais, e ajudam o corpo a funcionar de forma adequada e a manter a saúde. Também contém fibras e água indispensáveis ao bom funcionamento do nosso intestino. 
  • Grupo 3: as frutas e os sucos de frutas naturais, também como as hortaliças e verduras, são ricos em vitaminas, sais minerais, fibras e água. 
  • Grupo 4: o leite, os derivados de leite, queijos, bebidas lácteas etc, que representam a principal fonte de cálcio, um mineral importante para a saúde dos ossos, dentes e músculos. 
  • Grupo 5: as carnes vermelhas, peixes, aves e ovos são alimentos ricos em proteínas. As proteínas são necessárias na construção, reparação e renovação dos tecidos do nosso corpo, como a nossa pele, unhas, cabelos. Também ajudam na produção de anticorpos que irão combater vírus e bactérias, protegendo assim nosso organismo de doenças. 
  • Grupo 6: as leguminosas: feijão, ervilha, lentilha, grão de bico, soja (alimentos que nascem em vagens), e as oleaginosas: amêndoas, nozes, avelãs, macadâmia e castanhas (de caju e do Pará). Fornecem proteínas, vitaminas e sais minerais. 
  • Grupo 7: os óleos em geral e as gorduras (margarina, manteiga), ricos em calorias e colesterol. Os óleos e as gorduras, muitas vezes são considerados por nós como os “bandidos” da nossa alimentação – só engordam e fazem mal ao coração, mas nos fornecem energia, contribuem para a manutenção das células, também ajudam no transporte de vitaminas. Devemos fazer escolhas inteligentes, usar óleos vegetais (de oliva, canola, soja etc.) que contém gorduras poliinsaturadas que são ricas em Ômega 3 e 6 e ajudam à aumentar as taxas do "colesterol bom", o HDL, e manter baixas as taxas do colesterol ruim, o LDL. 
  • Grupo 8: açúcares, balas, chocolates, salgadinhos, bolos recheados, sorvetes, e outros açúcares adicionados aos alimentos, etc. O açúcares são fonte de energia, mas não são essenciais a nossa vida, pois podemos conseguir um açúcar de melhor qualidade nos carboidratos (frutas, arroz, batata, cereais integrais, entre outros). Esse açúcar branco que compramos aos quilos está relacionado com a obesidade e o aparecimento de cáries. 
 A Pirâmide Alimentar possui os três princípios básicos de toda alimentação saudável:

Variedade: não existe um único alimento que forneça todos os nutrientes necessários a nossa saúde. Uma dieta variada inclui alimentos diferentes nos oito grupos da Pirâmide.
Equilíbrio: uma dieta equilibrada ajusta as porções (quantidade) de acordo com sua idade, sexo, tipo de atividade do dia-a-dia, provendo as calorias e nutrientes necessários a manutenção da sua saúde.
Moderação: selecionar com moderação os alimentos ajuda a controlar as calorias e quantidades de gordura, sal e açúcares, permitindo uma maior flexibilidade e variedade de sabores nas nossas.

Embora a pirâmide alimentar não seja uma ciência exata, é um bom começo para criar uma dieta saudável e balanceada, e antes de começar a fazer mudanças drásticas em sua alimentação é sempre bom consultar um nutricionista.




Obesidade e Síndrome de Down

A obesidade é um mal que espalha por todo o mundo. Nos Estados Unidos, somada ao sobrepeso acomete 60% da população. No Brasil varia dependendo da classe social, mesmo assim aproximadamente 30% da população está com excesso de peso.

Porém, essa epidemia é ainda maior em pessoas com Síndrome de Down, 96% das mulheres e 71% dos homens estão com sobrepeso ou são obesos.

O que se pode concluir que a obesidade está ligada a própria síndrome de Down, certo?

ERRADO!

A obesidade não é causada só pela síndrome de Down.

Pessoas com síndrome de Down tem seu metabolismo basal diminuído em relação às pessoas comuns, portanto necessitariam uma dieta menos calórica e mais atividade física para queimar as calorias consumidas.

(Metabolismo Basal é a energia (medida em calorias) gasta pelo corpo para manter as funções normais, como batimentos cardíacos, respiração e a manutenção da temperatura corporal)

Mas pessoas não se tornam obesas só por que tem seu metabolismo basal diminuído, ou por que tem síndrome de Down. Toda obesidade é uma soma de fatores, como por exemplo:

  •  História familiar - pais obesos tendem a ter filhos obesos
  •  Aumento da ingestão calórica – hábitos alimentares errados,
  •  Inatividade física – uma maior tendência a fazer uma vida sedentária, falta de oportunidade para a atividade física, com menor participação em atividades esportivas e nas tarefas domesticas.
  • A hipotonia muscular que provocaria um trabalho muscular menos eficiente, com menor gasto energético,
  • A maior incidência de hipotireoidismo que pode levar ao aumento do peso corporal.
A boa noticia é que o ganho de peso ocorre normalmente até os 30 anos de idade, depois disso haveria um declínio.

ALIMENTAÇÃO E AFETO. O QUE ELES TÊM EM COMUM
 
Desde o nascimento, tão logo o bebê começa a ser amamentado, o ato de ser alimentado vai-se associando ao afeto materno. Quando a criança já está maior, a mãe prepara sua refeição e só sente ter desempenhado bem seu papel quando a criança aceita a alimentação e demonstra prazer. Desse modo, acostumamo-nos a utilizar a alimentação também como forma de expressar nossos sentimentos. Convidamos os amigos para fazer refeições conosco, presenteamos pessoas queridas com bombons e, em todas as ocasiões especiais, procuramos “COMEMORAR” com muita comida.

O SIGNIFICADO DE DIETA

Em nossa cultura a palavra dieta está muito associada à restrição, regime, algo imposto ou prescrito por alguém, que nos limita ou priva de alguns prazeres. Esse sentimento de estar submetido a algo restritivo e desconfortável faz com que encaremos a dieta como algo muito ruim e transitório, que, tão logo nosso objetivo seja atingido, poderemos nos livrar dela.

Porém, a palavra dieta vem do grego “diária”, que significa “gênero de vida”. É desta forma que a dieta precisa ser encarada: algo que deve ser incorporado ao nosso gênero de vida, uma mudança de hábitos definitiva, sem que a pessoa perca o prazer de comer.

ALIMENTAÇÃO EQUILIBRADA E SAUDÁVEL

Os alimentos fornecem todos os nutrientes necessários ao nosso organismo. Os nutrientes são divididos em três categorias:

1 – Construtores: são as proteínas que constroem e reparam o corpo, sendo encontrados em carnes, ovos, leite e derivados, feijão, ervilha, soja, lentilha e grão-de-bico.

2 – Energéticos: são gorduras e carboidratos, que fornecem a energia. As gorduras ajudam no aproveitamento das vitaminas A, D, E, K, e dão sabor aos alimentos. Podem ser de origem vegetal, como as encontradas nos óleos vegetais, na margarina, no abacate, ou ainda de origem animal, como as gorduras das carnes, a manteiga e o toucinho, que podem ser prejudiciais ao coração.

Os carboidratos encontram-se no açúcar, no mel, em doces, pães, massas, cereais, batatas e mandioca, entre outros.

3 – Reguladores : são as vitaminas e os sais minerais, que completam o funcionamento do corpo. Podemos encontrá-los nas frutas, nas verduras e nos legumes. Além disso, esses alimentos são ricos em fibras, que auxiliam no bom funcionamento do intestino.

 Para reduzir o peso é necessário diminuir a quantidade de calorias consumidas e aumentar o seu gasto, ou seja, fazer uma dieta HIPOCALÓRICA e praticar ATIVIDADE FÍSICA.

DIETA HIPOCALÓRICA é uma dieta com poucas calorias, onde são evitados os alimentos que nos fazem ganhar peso, assim como as quantidades ingeridas.

Com a dieta hipocalórica é possível diminuir o peso até o valor próximo ao “ideal”, aquele que é adequado para a altura, a idade e o sexo da pessoa.

Obesidade

Para a maioria das pessoas o termo "obesidade" significa estar muito acima do peso. Quando subimos na balança no nosso peso estão incluídos tudo o que forma o nosso corpo, a pele, fígado, estômago e outros órgãos e vísceras, os músculos, os ossos, sangue e outros líquidos e a gordura.


A obesidade é uma doença caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura no corpo, de forma generalizada ou afetando partes específicas do organismo.
Alguma pessoas, como fisiculturistas e outros atletas, podem estar acima de seu peso ideal sem serem obesos, por que os seus músculos são mais desenvolvidos e, portanto, pesam mais.

Para sabermos a quantas anda o nosso peso podemos usar o Índice de Massa Corporal , que é uma fórmula que indica se um adulto, adolescente ou criança, está acima do peso, se está obeso ou abaixo do peso ideal considerado saudável

Para avaliar o Índice de Massa Corporal (IMC), você deve dividir o seu peso (kg,) pela sua altura (m) ao quadrado:

IMC= Peso / Altura x Altura

Por exemplo: Se eu tenho 1,65 m e peso 70 kg, qual o meu Índice de Massa Corporal?

IMC = 70 / 1,65 x 1,65

         = 70 / 2,72

         = 25,73

Compare o resultado obtido:

18,5 - 24,9 - Desejável
25,0 - 29,9 - Sobrepeso
30,0 - 34,9 - Obesidade grau I
35,0 - 39,9 - Obesidade grau II
40,0 ou + - Obesidade grau III

No exemplo acima, o resultado de IMC = 25,73 seria um sobrepeso, para ter o peso desejável poderia pesar até 67 kg. Se ganhar mais 5 kg já é obesidade.

Embora a obesidade tenha várias causas, na maioria das vezes está relacionada à quantidade e à qualidade dos alimentos ingeridos. Ou seja, quando uma pessoa come mais do que seu corpo necessita para realizar suas tarefas e, de quebra, não se exercita, ela tem grandes chances de se tornar obesa.

Ser obeso, além dos problemas estéticos e psicológicos, constitui um grave problema de saúde, por que com o excesso de peso podem aparecer:
• pressão alta;
• diabetes;
• colesterol elevado;
• triglicérides elevados;
• doenças cardiovasculares.
• doenças respiratórias
• complicações ortopédicas

A obesidade é diferente de pessoa para pessoa e o uso do Índice de Massa Corporal (IMC) vê o seu peso como um todo, ignorando a distribuição da gordura no seu corpo.


Existe, por exemplo,

  • a obesidade andróide ou em formato de maçã - a maior parte da gordura se localiza nas costas, braços e barriga, deixando a parte inferior do corpo magros. Freqüentemente está associada à hipertensão, problemas digestivos, cansaço, falta de ar e problemas cardíacos. É mais comum em homens, e a gordura não se localiza somente entre a pele e os músculos, aparece também dentro da cavidade abdominal causando uma compressão interna nos órgãos.

  • a obesidade ginóide ou em formato de pêra – a maior parte da gordura se localiza nos quadris e coxas, deixando a parte superior do corpo magros.Freqüentemente está associada a alterações circulatórias e hormonais, as varizes, dores nas pernas e edema, problemas ortopédicos e estéticos. É mais comum em mulheres.

  • a obesidade mista - o acúmulo de gordura aparece na porção superior e inferior do corpo de forma uniforme. Freqüentemente está associada a alterações da obesidade ginóide e andróide. Aqui se enquadra a maioria das pessoas com síndrome de Down.


Com base nessa classificação, criou-se um índice denominado relação cintura-quadril, que é obtido pela divisão da circunferência da cintura abdominal pela circunferência do quadril. De uma forma geral se aceita que existem riscos quando a relação cintura-quadril for maior do que 0,9 no homem e 0,8 na mulher.

A simples medida da circunferência abdominal também já é considerada um indicador de risco para complicações da obesidade, definida de acordo com o sexo do paciente:

                 Risco aumentado    Risco muito aumentado
Homem          94 cm                        102 cm
Mulher           80 cm                          88 cm


A gordura corporal pode ser estimada também através da medida das pregas cutâneas, do cálculo da bioimpedância, da tomografia computadorizada, do ultrassom e da ressonância nuclear magnética, mas essas técnicas não são utilizadas como rotina.

Lembrando, novamente, que embora a obesidade tenha várias causas, que ela tenha vários tipos, sempre está  relacionada à quantidade e à qualidade dos alimentos ingeridos. Ou seja, quando uma pessoa come mais do que seu corpo necessita para realizar suas tarefas e, de quebra, não se exercita, ela tem grandes chances de se tornar obesa.

Acupuntura emagrece...

Primeiro devemos pensar por que engordamos. Engordamos por que comemos e bebemos mais do que gastamos.

E comemos e bebemos por que acostumamo-nos a utilizar a alimentação como forma de expressar nossos sentimentos. A mãe só sente ter desempenhado bem o seu papel quando prepara a refeição e o filho não só aceita o alimento como também demonstra prazer em recebê-lo. Limpa o prato!

Presenteamos pessoas queridas com bombons e, em todas as ocasiões especiais, comemoramos ao redor da mesa. Quem pode imaginar uma reunião de amigos sem muita comida e bebida?

Come-se em momentos de alegria e de tristeza, por que se está calmo ou nervoso, por que estamos sozinho ou acompanhado, comida, comida, comida.

Não conheço uma só pessoa gorda que não adore comer doce, salgado ou ambos. Também não conheço um magro que gaste seu tempo numa refeição, ou que carregue uma balinha (barrinha de cereal, chocolatinho, bolachinha – tudo no diminutivo por que pequenas porções não engordam) na sua bolsa.

Então tá! Acupuntura emagrece ou não?

Vamos lá, só a acupuntura não vai emagrecer ninguém, nem existe uma fórmula mágica que torne as pessoas magras. Para reduzir o peso corporal é necessário diminuir a quantidade do que ingerimos e aumentar o que gastamos, ou seja, fazer uma dieta com poucas calorias e praticar atividade física.

A acupuntura ajuda no emagrecimento, por que pode regular o metabolismo, amenizar a ansiedade - aquela agitação sem causa aparente que leva a pessoa a abrir a geladeira e devorar tudo; a compulsão por comidas – controle do apetite; fazer com que seu organismo elimine melhor as toxinas, a retenção de líquidos, o funcionamento regular do intestino; ajuda a relaxar e dormir bem, por que dormir bem significa um dia seguinte sem ansiedade e cansaço. A acupuntura ajuda a fazer um equilíbrio das suas energias conseguindo assim mais disposição e bem-estar. E daí, emagrece sim!